quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

É Natal

                                              Cantando para as crianças e jovens da APAE
                                            Dando inicio ao trabalho para fazer uma guirlanda
                                            Recortando pequenos quadrados para a guirlanda
                                                    Prontinha para enfeitar a nossa casa
                                                            Nosso Presépio de Natal

Esta chegando o natal, uma data muito especial para trabalharmos com nossas crianças o verdadeiro sentido desta data: O nascimento de Jesus e a sua mensagem: Amar a Deus sobre todas as coisas e ao Próximo como a si Mesmo.. Desta forma procurei desenvolver este tema através das Parábolas: O Filho Pródigo, a Ovelhinha Perdida e o Bom Samaritano.
As crianças adoraram as  parábolas. Elas podem ser encontradas no You tube em forma de desenho.
As fotos acima são de um passeio que fizemos levando canções natalinas a APAE e algumas atividades que estamos desenvolvendo em aula. A guirlanda é uma sugestão que encontrei no Blog Gente Miúda.
Fica como sugestão para este Natal as Parábolas para trabalharmos com nossos pequenos, auxiliando no desenvolvimento não só cognitivo mas moral, através da emoção, do coração e assim nossos pequenos vão compreendendo e conhecendo um pouquinho da vida do Nosso Grande Mestre Jesus. 
  

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Dia da Consciência Negra

                                             Recortando figuras de pessoas de diferentes raças
                                        Colando as figuras no painel pintado pelas crianças
                                                           Hora de Brincar  




                                     
                                    Aprendendo as diferenças e igualdades da Menina e do Menino

Determinadas datas como o Dia da Conciência Negra é um momento para ampliarmos o horizonte de nossas crianças, procurando destacar a individualidade de cada um, as potencialidades, as qualidades, as dificuldades que todos nós temos e a beleza de sermos diferentes na maneira de ser.
Levarmos as crianças a perceberem que as diferenças estão presente em tudo nas nossas vidas e que é nas diferenças que aprendemos e crescemos, pois de acordo com Freire "somos seres inacabados", que ao longo de nossa existencia estamos sempre aprendendo uns com os outros, infinitamente.
Para desenvolver este projeto parti da origem do nome de cada criança, depois falamos sobre as famílias deles como são constituidas, os costumes, a nossa cultura e para isso usei da história A Tartaruguinha e a Galinha afetuosa, da mesma forma aprendemos  a dança do Maçanico e o Poema: Tombos.
A história Bom dia todas as cores, O menino branco e o cabelo de Lelê foram as bases para discutirmos as diversidades das raças, a beleza de cada uma e o respeito ao diferenças.
Para trabalharmos altura, peso, e outras caracteristicas fisicas a histórinha Belinda a Bailarina foi excelente.
Brincamos com jogos e diversas atividades que envolveram o corpo, os sentidos, mas acima de tudo os sentimentos e a emoção. As fotos acima são de algumas das atividades realizadas.
 As crianças  usaram tinta guache, massa de modelar, recortaram, colaram, desenharam, pintaram, dançaram, declamaram e brincaram muito.
 


domingo, 28 de outubro de 2012

Alfabetização na Educação Infantil

                          Lile concentradissima  na atividade de recorte e colagem do seu chapéu.
                                      Com alegria os meninos mostram o resultado do trabalho.
                                              Olha como ficou o chapéu do nosso pequeno
                                                           Brincando com as letras
                                           Registro de uma das educandas de toda a atividade.

Alfabetizar ou não na educação infantil? 
Muitas vezes o educador se vê as voltas com esta pergunta e em algumas situações pressionados pela escola ou pela ansiedade dos pais, fica sem saber o que fazer: Alfabetizo ou não? Como?
 A alfabetização se dá nesta fase de uma forma natural, a criança vive em um mundo letrado, mesmo as crianças mais carentes tem acesso a diversas formas de escrita, por exemplo: na televisão, nos rótulos de doces, refrigerantes, nas placas da cidade e outros. O ambiente escolar é rico de materiais que instigam a curiosidade, a aprendizagem; são elas: as brincadeiras, os jogos, o desenho, a colagem, o recorte, os livros infantis, a contação de histórias. Sem forçar, o nosso papel é apenas possibilitar a aprendizagem e a criança vai naturalmente entrando no mundo das letras.
Todo o trabalho realizado junto as criança é alfabetizador, pois esta sempre convidando de uma forma lúdica a aprendizagem de diversas formas, principalmente a leitura de mundo. Pois decifrar códigos é facil, mas compreender tudo o que envolve o ser humano nas suas relações é mais trabalhoso. Nossas crianças precisam brincar, movimentar-se, experimentar, tocar, ter infância, ser respeitada, educada e aceita como ela é, esta deve ser a nossa maior preocupação.  
Não é preciso ter pressa, tudo tem o tempo certo,  "A natureza não dá saltos". A ansiedade em alfabetizar antes do momento da criança tem causado sofrimento e falhas no momento da alfabetização.
Na Ed.Infantil o papel do pedagogo é propiciar um ambiente tranquilo, seguro, afetivo para que a criança sinta-se acolhida  e enriqucer estes momentos com atividades que envolvam a criança na construção do sua própria aprendizagem, respeitando a fase do seu desenvolvimento. Trabalhando desta forma estaremos com certeza alfabetizando em um espaço onde a leitura ultrapassa o papel e as paredes da sala de aula.
As fotos acima mostram um dos  trabalhos realizados para conhecer as letrinhas. Neste dia trabalhamos com a palavra: Chapéu.  As crianças brincaram com as letras, buscaram reconhecer a letrinha dos seus nomes, depois fizeram um trabalho de recorte e colagem no chapéu de jornal, trabalhamos também a forma geométrica, brincamos e finalmente registraram através do desenho toda as atividades realizada naquela tarde.

domingo, 21 de outubro de 2012

Exclusão e Bullying

Desde a educação infantil é possivel perceber situações em que crianças são discriminadas pela sua condição social, pela forma fisica, pela raça e pelas dificuldades de aprendizagens. Não há como ingnorar que isso ocorra com nossos pequenos, pois infelizmente devido a vários fatores isto vem acontecendo e há muito tempo, antes mesmo  das palavras Exclusão e Bullying estarem em destaque.
Nós educadores temos mais um desafio neste laboratório de aprendizagem que é a sala de aula, porém é necessário da nossa parte estarmos atentos e desenvolvermos um olhar a estas questões e a sensibilidade de saber como intervir de forma que todos cresçam. Uma maneira maravilhosa, instrumento precioso que temos em mãos são as HISTÓRIAS, que levam a mensagem de uma forma lúdica, descontraida, alegre e emocionante, direto aos sentimentos das crianças e é visivel a mudança que com o tempo vai ocorrendo nas relações das mesmas e a certeza de que se refletirá na sua vida adulta.
O livro Você é Especial de Max Lucado é ótimo  para se trabalhar com as crianças de todas as idades e também para o educador repensar nas gratificações. Fica como sugestão contar esta história para as crianças. Podemos utilizar fantoches, ou contar usando adesivos de estrelinhas e bolinhas ou simplesmente contar, com certeza dará para fazer um belo Projeto sobre O Respeito as Diferenças.
O livro pode ser baixado no  Google ou no You Tube.

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Ser criança


                                                  Uma tarde brincando com tinta caseira
                                                          Brincando no parquinho
                                     
Na infância tudo se torna muito simples, alegre, a vida tem  um colorido diferente e uma magia em cada gesto e em cada brincadeira.
"A criança tem sempre uma inesgotável curiosidade de tudo e mantém invariavelmente olhos e ouvidos abertos para novas aprendizagens." (Souza, Dalva. O Caminhos do Amor)
Fico encantada com a forma que a criança reage diante de um conto, de uma brincadeira e a facilidade para elogiar, abraçar e acima de tudo perdoar. Não me canso de observar o olhar de minhas crianças: doce, puro, ingênuo, um olhar de confiança, de ternura, assim como de um momento para o outro muda transbordando o que estão sentindo: alegria ou tristeza.
A criança esta em uma fase de grande sensibilidade e onde é muito suscetivel a tudo que a rodeia, por isso temos que observar a educação que elas estão recebendo, sem deixarmos de lembrar que a educação ocorre em todos os lugares em que a criança se encontra: família, comunidade e escola.
Precisamos ter o cuidado para que esta fase, que é a base de todo o desenvolvimento humano, possa ser vivenciada de forma sadia, pois infâncias estão sendo encurtadas através de diversos fatores e uma delas é a mídia que tem lançado um modelo de mini adulto: pelas roupas inadequadas, maquiagens, calçados de salto para as meninas e determinados brinquedos que estão longe de desenvolver a criatividade, mantendo a criança como um mero espectador. Valem-se de programas, de comerciais que provocam na criança o desejo de ter, passando a serem grandes consumistas através dos pais, tirando o verdadeiro sentido da infância: ser criança. Pais e educadores precisam estar atentos para que nossas crianças possam ter uma verdadeira infâcia, precisamos apenas ter tempo, amor e olhos para ver.

                                  "De novo a estrela brilhará, mostrando
                                   o perdido caminho da perdida inocência.
                                   E eu irei pequenino, irei luminoso
                                   Conversando anjos que ninguém conversa."
                                                                            (Carlos Drummond de Andrade)
 

terça-feira, 2 de outubro de 2012

É Primavera, estação de muitas cores.

                                     Trabalho feito com massa de modelar sobre o Filme Lorax
                                                               Aqui estão as trúfulas
A estação das flores, das borboletas de muitas cores esta chegando e aproveitamos da mesma  para trabalharmos com as crianças as questões relacionadas ao nosso meio ambiente.
Para este projeto iniciamos com a história: Bom dia todas as cores e no dia seguinte assistimos ao Filme Lorax, Em Busca da Trúfula Perdida,( sugestão para as escolas desde  a ed.infantil) o qual esta sendo base para o Projeto da Primavera.
Este filme é ótimo para provocar uma discussão sobre a situação do meio ambiente com nossas crianças pequenas e da ambição desmedida do homem. Colabora da mesma forma para o desenvolvimento das capacidades cognitivas, afetivas e psicomotores, pois várias atividades podem ser realizadas, envolvendo todas as capacidades que estão já em desenvolvimento e as que estão em estado latente.
Tenho percebido como é natural para a criança a compreenção do quanto é importante cuidarmos do meio em que vivemos, pois já é algo presente no seu contexto educacional, o que torna mais prazeroso e compreensivo este trabalho. Não há necessidade de muita fala do educador, apenas abrir espaço para a discussão e noto que eles já tem consciência do muito que podem fazer, basta apenas a colaboração dos adultos.
Aproveitaremos este projeto para nos utilizarmos de diversos materiais recicláveis colaborando assim com a redução de lixo..
video
                                          Trailer do Filme Lorax Em Busca da Trúfula Perdida

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Cuidados com a hora do banho na creche


video
Este video da Nova Escola, nos dá uma idéia das possibilidades de organizar a hora do banho ou troca de fraldas na creche e do quanto este momento é importante para o desenvolvimento da criança.
Do aprendizado, da afetividade, que ocorre  na relação da criança com o educador.
Nota-se que a creche é um espaço onde o cuidado e a educação estão constantemente entrelaçadas e que este ambiente deve ser preparado e organizado para possibilitar que isto ocorra, com local apropriado e pessoas preparadas. Não  podemos esquecer que estaremos sempre interferindo na formação de um ser humano. Mais uma vez o toque, a fala e o tom da mesma, o olhar, a maneira como pegamos a criança, auxilia na construção de um psiquismo saudavél.
Este momento deve ser prazeroso e  alegre para ambos e não um momento de pressa e angústia. A criança precisa estar ao lado de alguém que a ama e respeita.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Encerramento da Semana Farroupilha

                                                     Dança do Pézinho
                                                    Oficina de dança no CTG
                                                               
                                                      No Museu do CTG
                                              Oficina de dança no CTG









                                                               

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Tradições do Rio Grande do Sul


                                       Abertura sa Semana Farropilha com almoço campeiro.

A Escola Dr. Silveira Neto esta desenvolvendo o Projeto Riquezas do Rio Grande do Sul na Semana Farroupilha.
Aproveitamos para trabalharmos com as crianças algumas da nossas riquezas, que fica como sugestão:
a dança , a música, as brincadeiras, a comida campeira e principalmente a amizade, que é a nossa maior riqueza.
Estamos trabalhando de uma forma que as crianças conheçam, aprendam e desenvolvam amor por sua terra e sua cultura, pois somente respeitamos o que aprendemos a amar.
O Projeto esta sendo desenvolvido da seguinte forma: trazendo a música para a sala de aula para ouvir, cantar e dançar, assistindo a videos das danças, aprendendo a dançar a Dança do Pezinho e do caranguejo.
A boa música, a dança, envolve o corpo, os sentimentos, a alegria, desenvolve a harmonia, a sensibilidade, o relacionamento, a amizade, a atenção, enfim todo o ser:  o corpo e a alma. A música age no sistema nervoso, por isso o cuidado que temos que ter na escolha das musicas que trabalhamos com as crianças em sala de aula, não só pela mensagem, mas também devido ao ritmo.
  Também tivemos a oportunidade de levar as crianças na escola para ver O João Cunha fazendo uma gostosa comida que mais tarde foi saboreada por todos os alunos. Vamos ainda trabalhar a nossa bebida: o Chimarrão, através da Lenda do Chimarrão e depois faremos uma lembrancinha: pacotinhos de papel pintados e com erva colada que se tornarão pequenos pacotes de erva, os quais as crianças levarão para casa. Encerraremos a Semana com uma roda de chimarrão e um passeio ao CTG para assitir as invernadas se apresentarem.
"Mas não basta para ser livre, ser forte, aguerrido e bravo, povo que não tem virtude, acaba por ser escravo." ( Trecho do Hino do Rio Grande do Sul ).

sábado, 8 de setembro de 2012

Cuidados na Creche

video
Este video é um dos muitos que podemos assitir no you tube da Revista Nova Escola, fazendo uma referência a importância que leva os cuidados que são direcionados as crianças pequenas na rotina de uma creche. Pois estes cuidados também são educativos e  propiciam o desenvolvimento cognitivo, psiquico, motor e afetivo se bem direcionados.
Na hora do sono, no momento da troca de fralda, na alimentação, no banho, são todas atividades importantissimas, pois não é apenas um corpo pequeno a nossa frente, mas um ser que pensa e acima de tudo sente o que esta se passando com ele e este sentimento reflete em seu desenvolvimento.
Sendo assim o carinho, o amor e o respeito, são fundamentais quando estamos trabalhando com crianças.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Semana da Pátria

                                    Trabalhando com materiais naturais escolhidos pelas crianças
                                   Trabalhando com materiais recicláveis trazidos pelas crianças
                                         Parte do resultado do trabalho com material reciclável
Se aproxima a data em que comemoramos a nossa Pátria. Para os nossos pequenos o que isso significa? Esta foi a minha preocupação, tornar este assunto significativo para as crianças.
Parti do principio, saber o que eles entendiam por Pátria, a seguir como surgiu o mundo, as pessoas, os animais, as plantas, após como estamos cuidado com o nosso mundo, como estamos cuidando um do outro. Ouvindo as crianças, conversando, ouvi a seguinte resposta de um dos meninos:  "Quem criou o mundo foi a politica. "  É para se pensar: que mundo estamos vivendo e que mundo queremos viver.
Após o diálogo, contei uma história: Bolinhas de sabão, onde um menino estava muito preocupado com as plantinhas, os animais e o cuidado com as crianças e resolveu conversar com Deus através de bolinhas de sabão e descobre no final que isso não é necessário, basta a oração com o coração.
Com esta história estamos trabalhando como é a nossa Pátria ou seja, nossa cidade, nosso bairro, nossa família e como queremos que ela venha a ser e como podemos colaborar.
Através de materiais encontrados na natureza e materiais recicláveis estamos construindo com as crianças como todos nós podemos colaborar um com o outro e o cuidado com o nosso meio ambiente.
O painel ainda esta em processo de construção.Mas fica aqui a sugestão: A Patria somos nós que nas pequenas ações vamos construindo, e esta construção inicia-se na infância, nas relações familiares, nas relações escolares e nas relações de amizade. Deus criou um mundo maravilhoso para todos, a nossa responsabilidade é cuidar, amar e progredir sempre. 
Irei postar quando o painel estiver pronto.

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

O Prazer da Criação na Infância

                           Esta tinta pode colocar na boca, feita com farinha e corante alimenticio.
                                                     Liberdade de movimento e expressão.
                              Atividade feita com diversos materiais: Jornal, linha, giz de cera.
                                          Atividade com tinta guache no papel e na camiseta.

O momento em que a criança vai representar através do desenho, da pintura, do recorte, da colagem de diversos materiais o que esta sendo desenvolvido em aula, é um momento importante, pois ela irá voltar-se para si mesma, seus pensamentos, sentimentos, perceber, tocar.  Um espaço assim  convida para a criatividade, para a alegria de ver o resultado do seu trabalho, um espaço de interação com o objeto de estudo e com os colegas.
 Os desenhos prontos, estereotipados, onde a criança apenas vai pintar ou colar algo, mais nada, constrange, reduz toda a criatividade, o desenvolvimento cognitivo e afetivo.  E mais, o prazer de criar, experimentar, inventar, pois é um desenho sem encanto, sem magia, sem a participação da criança.
O criar é uma tomada de contato com o mundo, em que a criança muda principalmente a si mesma. Ainda que afete o ambiente, ela não faz intencionalmente, pois tudo o que a criança faz o faz em função da necessidade do seu próprio crescimento, da busca de se realizar. ( Moreira, 1984, p.38)
Quanto mais diversidade na escolha de materiais, de texturas, mais estimulos a criança receberá para criar.
 Neste momento a criança trabalha também os laços afetivos e cognitivos, concretizando em formas e cores, os sentimentos, as emoções, as experiências e as conquistas.
A natureza é uma fonte riquissima de materiais para trabalharmos na educação infantil: apalpar a terra, brincar com água, folhas, cascas de árvores, flores, ouvir os sons da natureza, o canto dos passáros, o perfume das flores, das frutas, olhar o céu. E ainda podemos lançar mão dos materiais recicláveis para construir com as crianças e cuidar do meio ambiente. A criança aprende olhando o mundo com todos os sentidos. Ver, experimentar e criar.


segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Brincando de boneca, brincando de Mamãe e Filha






A boneca é um dos brinquedos mais antigos e populares de todo o mundo e sempre fez parte do imaginário das meninas. No passado as bonecas eram feitas de diversos materiais: bonecas de louça,  de pano, de madeira e na nossa região: de pano,  sabugo de milho e palha de milho, principalmente no interior onde as crianças faziam seus próprios brinquedos e criavam diversas situações onde a imaginação corria solta. Hoje as bonecas praticamente brincam sozinhas e as meninas ficam mais observando: elas dançam, falam, choram, dormem, caminham, mamam e muito mais...propiciando muito pouco na questão de interação entre a criança e o brinquedo. A Barbie é outro tipo de boneca que representa uma jovem e tenho observados as meninas apenas brincando de trocar as roupas das mesmas, tiram uma e colocam outra, sem maiores criações.
Na atualidade onde as crianças tem sido bombardeadas com diversos tipos de imagens apelando para o consumismo e o amadurecimento precoce, temos que estar mais atentos aos brinquedos e jogos que oferecemos as crianças, para que elas possam viver a sua fase de fantasias, de encantamento, de criatividade, onde suas emoções, seus conflitos são naturalmente trabalhados na hora de brincar. Os brinquedos simples e adequados a idade, são os melhores para as nossas crianças.
A boneca é um excelente brinquedo, principalmente as de pano, por favorecer o desenvolvimento da afetividade, da relação mãe e filha, da interação criança-criança e criança-objeto. A boneca  pode ser feita pela educadora e até pela própria criança com pequeno retalhos de pano.
Como sugestão fazer uma oficina de bonecas e convidar as mães que quizerem ajudar na confecção junto com os filhos, com certeza todos vão gostar. Já fiz esta experiência e foi muito boa.




 Na semana passada oportunizei uma tarde onde as meninas deram banho em suas bonecas, os meninos ajudaram, depois elas secaram, vestiram e as colocaram para dormir nas almofadas. Foi muito agradavel e no final representaram com um desenho com tinta guache toda a brincadeira.
 Brinquedos e brincadeiras tão simples, mas  que sempre encantam o universos infantil.


sábado, 25 de agosto de 2012

O Espaço na Educação Infantil

A exploração e a organização do espaço na educação infantil é importantissimo para o bom desenvolvimento da criança, promovendo  interações, convidando ao uso de diversos materiais e criando uma atmosfera participativa. Não podemos ficar restringidos apenas ao ambiente da sala de aula, mas também,  aprender a desfrutar da escola e do entorno, possibilitando novas experiências e sensações, onde ela seja agente do seu conhecimento.
Sabemos que nem sempre é possivel, por não termos um espaço adequado, no entanto há de se buscar outros recursos e irmos aos poucos concientizando as pessoas responsáveis pelas contruções e organizações de escolas infantis, que a criança necessita ter espaço adequado ao seu desenvolvimento para a sua aprendizagem, ter seus trabalhos expostos, pois isso valoriza as competências, os direitos e os deveres de seus protagonistas, principalmente nos dias atuais onde as crianças estão cada vez mais presas em ambientes fechados, mantendo-se por muito tempo sentadas em frente a televisão, ou computador.
O pátio da escola pode se transformar em ateliê de artes plásticas, roda de histórias, brincadeiras de roda, jogos e porque não até um circo com varias atividades que envolvem o movimento do corpo?
Porém temos sempre que observar a segurança, previnindo situações de perigo na escolha do local e dos materiais utilizados.
 Mas o espaço para as crianças não se restrige ao espaço fisico: é um espaço de vida, com tudo aquilo que dele participa. É fundamental que todos se sintam acolhidos, seguros, respeitados e acima de tudo amados. ( Livro Oficinas de Sonho e Realidade, para quem deseja conhecer mais sobre Ed.Infantil)



sábado, 11 de agosto de 2012

A criança e o Prazer de Ler, Ouvir e Contar histórias






Contar histórias é fato antigo e indispensável a vida; e para o educador um elemento de educação.
Na atualidade temos diversos recursos para enriquecer a história, mas nada substitui a voz viva do contador de histórias, a qual transmitirá toda a emoção dos personagens que encantarão os ouvidos e o coração de quem estiver escutando.
Para que possamos nos utilizar deste maravilhoso recurso, em primeiro lugar é a escolha da história, nos apaixonarmos por ela, e após lermos e relermos, nos prepararmos para este momento mágico, ou seja, nos preparmos tanto fisicamente quanto psiquicamente, uma vez que contar histórias é um ato de entrega intensa, emocional, mental, intelectual e espiritual..
Podemos nos utilizar de fantoches, de livros, ou apenas contando, tendo como recurso a voz e o coração.
A voz, o corpo, os gestos devem estar em consonância com o enredo da história, buscando envolver os ouvintes a cada momento.
O que eu mais gosto é olhar no rostinho de cada criança enquanto conto uma história, perceber a expressão de espanto, as vezes de medo, de alegria, de admiração, enquanto escutam. Também gosto muito de hitórias interativas, quando o ouvinte participa.
 Olhem o sorriso das crianças no momento em que ouvem a história Menina Bonita do Laço de Fita, contada por mim e pela menina Vitória, na Evangelização da Sociedade Espirita Terezinha de Jesus.

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Dia dos Pais? Vamos Pensar.

Dia dos pais, dia das mães, são datas que é preciso rever em nossas escolas, pois nem todas as crianças tem os pais presentes. E muitas vezes o educador se sente precionado por toda uma história de comemorações de longa data, desenvolvida ao longo dos anos escolares. É preciso muita sensibilidade para não entristecer estes coraçãozinhos ja tão machucados pela ausência do pai ou da mãe.
Conversava com uma senhora já idosa, e ela lembrava ainda de como era triste o dia dos pais, pois tinha que fazer um cartão, mesmo sendo orfã, contava-me ela que a professora dizia: -você dá para a avó, ou se era dias dos pais: -Dê o cartão para seu tio.
Via os colegas contentes fazendo seus cartões e ela alí triste, tendo que fazer algo para quem não existia mais.
-No caminho de casa eu rasgava o cartão. Não era meu pai, puxa vida - contou-me ela.
E isso já aconteceu há muito tempo e esta senhora ainda não esqueceu.
Nos seminários sobre educação, em diversos livros educacionais, é sempre abordado a importância de conhecer a realidade da criança e partir do seus conhecimentos, cultura e experiências, sendo assim
não podemos desprezar as novas constituições famíliares e continuarmos agindo como antigamente, como se todas as famílias fossem  tradicionais: Pai, Mãe e Filho.
 Torna-se urgente rever estas datas, pois na atualidade devido as grandes mudanças, as famílias foram se reestruturando de diversas formas, segundo a realidade e necessidade do momento, porém de acordo com  a Psicanalista Silvia Molina, no coração da criança e na sua formação psiquica Pai e mãe são fundamentais, insubstituiveis. Os pais não necessariamente precisam estar juntos, mas precisam estar presentes na vida da criança.
 Há quem argumente sobre como ficam as outras crianças que têm a felicidade de ter os pais juntos ou ao menos presentes. Eu entendo que estas já estão felizes e continuarão independentemente de  fazer um cartão ou apresentação na escola. Com certeza comemorarão esta data com os demais familiares, é preciso pensar na criança que vive uma outra realidade e que infelizmente são muitas. Nossa fala tem de estar de acordo com a nossa prática e a nossa prática deve estar de acordo com a realidade de nossos educandos. 
Se na nossa realidade todos tem a felicidade de ter o pai presente,podemos tranquilamente trabalharmos esta data, mas se a realidade é outra, precisamos repensar.
"Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas uma alma humana."
 

terça-feira, 31 de julho de 2012

O Tempo na Educação Infantil

O artigo de Barbosa nos fala do tempo para viver o cotidiano e que nos ultimos anos, nas escola de educação infantil ele tem passado de forma muito rápida e uma ausência de sentido neste tempo que passa.
(...) Primeiro aspecto Queixa sobre a falta de tempo:
 Essa situação vem sendo resolvida, equivocadamente, com a diminuição do tempo para que as crianças brinquem e a ampliação do tempo para que se desenvolvam "habilidades" através de "trabalhos", com objetivo de não perder tempo
Segundo aspecto: Pressa, que se manifesta tendo no modo perverso como a infância vem tendo diminuida sua duração no inicio deste século quanto no modo como as crianças são apressadas para crescer, para atender aos horários da instiuição, para acompanhar o ritmo dos demais colegas, para se alfabetizar cada vez mais cedo, etc.
O terceiro aspecto: compartimentalização do tempo. As ações  das crianças são reguladas por tempos fixos e fragmentados, sequenciais, lineares (...)  (BARBOSA, Maria Carmem Silveira. Pátio ed.infantil)
Ao ler este artigo podemos perceber que esta é a realidade da maioria das nossas crianças, que vem tendo o tempo de sua infância encurtados por atividades e obrigações. Não há mais tempo para brincar, dividir, compartilhar coisas simples, conviver de forma alegre e espontânea. Este problema tem inicio em muito lares estendendo-se a escola, sem perceberem que é preciso respeitar o tempo da criança e este tempo é mais precioso do que podemos imaginar.
Nós educadores das novas gerações precisamos estar atentos a valorização, a vivência da infância, para que ela tenha um sentido real e possa ser vivida com intensidade, pois as crianças querem compreender o mundo em que vivem e a melhor forma é brincando em um ambiente que a respeite no seu tempo de ser criança. 

quarta-feira, 25 de julho de 2012

O Faz de Conta na Educação Infantil

Vamos fazer de conta que eu sou tua filha? Vamos fazer de conta que eu sou uma princesa? Assim começa a brincadeira de faz-de-conta e novos personagens vão surgindo: bruxas, princesas, dançarinas, bailarinas, palhaços, mágicos, heróis, pai, mãe, filha, irmão e outros, que povoam e fazem parte  do universo infantil. Esta brincadeira quando vivenciada pelas crianças, tem o poder de auxiliar no desenvolvimento do cognitivo, do imaginário, da criatividade, levando momentos de alegria e diversão, ao mesmo tempo  trabalhar emoções muitas vezes reprimidas pelo medo, por disturbios ou por traumas sofridos. É um espaço que o educador pode propiciar através de fantasias, de lenços, panos, sapatos, chapéus, colares, pulseiras, tiaras que muitas vezes ficam guardadas sem serventia em nossas casas e que se transforma em importante instrumento de desenvolvimento quando bem explorado,
Segundo Santos: No espaço escolar, a preocupação recai quase que exclusivamente com o desenvolvimento cognitivo da criança. Desconsidera-se, assim, que o brinquedo, e o faz-de-conta é uma brincadeira, contém, em forma condensada, todas as dimensões do desenvolvimento: socioafetivo, cognitivo e psicomotor. (Ludicidade como Ciência)
Ao trabalharmos na educação, é importante pensar no todo, não trabalhamos ora o cognitico, ora o afetivo, ora a parte motora, o ser humano é um conjunto onde a inteligencia, os sentimentos estão sempre entrelaçados e refletindo na fala, nos pensamentos e toda e qualquer expressão corporal.
É através do faz de conta, das brincadeiras, que envolvem esta atividade, que a criança terá condições segundo Moreno e Paschoal de contruir sua identidade, socializar-se, conhecer e reconhecer-se, amar e ser amada. (Ludicidade como Ciência)
 Vamos então aproveitar as férias e  fazer uma campanha com os amigos arrecadando este material valioso e o aproveitar com nossas crianças criando um espaço lúdico de muitas aprendizagens.